Sonhar acordado: mais que uma distração, uma técnica

Se perder em pensamentos é uma ótima ferramenta para resolver problemas, planejar e estimular a criatividade.

sonharacordadocriatividadedestaq

O ato de “Sonhar acordado” (ou “se perder em pensamentos”, “viajar”) é algo que pode causar má impressão quando o assunto é produtividade, pois relacionamos a estar distraído quando era preciso estar focado, por exemplo. Porém, em certos momentos, se desligar um pouquinho do cotidiano e deixar a mente vagar por aí pode ser um ótimo exercício empreendedor. Se você não está convencido, veja só:

Sabe aquela resposta perfeita pra uma discussão que só pulou no seu cérebro dois dias depois na hora do banho? Ou aquele produto incrível que você inventou na cama antes de dormir? Pois é, tem tudo a ver com sonhar acordado. É um ótimo exercício de criatividade, afinal, sem a pressão de um prazo ou regras a seguir nos sentimos mais livres para criar e achar soluções.

 

Isso acontece porque deixar os pensamentos voarem é uma oportunidade que nosso cérebro encontra para interpretar dados e situações. É como se nossa mente aproveitasse o tempo livre para “ligar os pontos”. O resultado, muitas vezes, são ideias inovadoras.

Além disso, quando damos aquela viajada na maionese geralmente relembramos momentos do passado. Fazendo isso, nossa mente cria um momento excelente de reflexão, uma boa hora para avaliar e aprender com os erros cometidos, que quase sempre leva ao estágio seguinte de sonhar acordado: planejar o futuro. Por tudo isso, aqui vai uma ótima dica: tenha sempre um “caderninho de ideias” à mão, afinal nunca se sabe quando uma boa ideia vai surgir.

Mas atenção: existem momentos e lugares certos para praticar essa “técnica”. Essas horas devem acontecer quando você não precisa estar concentrado em nada, como engarrafamentos, a sala de espera do dentista ou um fim de tarde de domingo. Quando sua mente precisa estar focada em fazer ou aprender alguma coisa, é pouco provável que sonhar acordado vá resultar em algo positivo. Por isso, se você estava pensando em usar esse texto como desculpa para quando o professor te pegar “viajando” durante as aulas, pode esquecer!

Fonte

Comentários