Priscilla Valentino mistura cultura do empreendedorismo, inspiração e mulheres

Priscila Valentino há 3 anos (quase 4!) decidiu plantar na sua própria horta. Isso significa que o seu foco passou a ser seus projetos e suas próprias ideias. Aprenda com essa experiência

Priscila Valentino tem 31 anos e há 3 anos (quase 4!) decidiu plantar na sua própria horta. Isso significa que o seu foco passou a ser seus projetos e suas próprias ideias.

O seu negócio é o “Negócio de Mulher. Quer saber como é? Acompanhe o bate-papo

PrieID

1- Priscila, como podemos definir a Negócio de Mulher? Como ele nasceu?

A Negócio de Mulher hoje somos eu, minha sócia Karine Drumond e uma rede de quase 12 mil mulheres que se identificam com a gente, com nossas experiências, dificuldades, medos e superações que todas que desejam criar o próprio negócio vivenciam. A gente pode definir como um programa de inspiração e ajuda a mulheres que querem empreender, ter um trabalho alinhado ao propósito que cada uma tem na própria vida. E gosto de pensar que também ajudamos a dar ordem e focar a energia do caos das mentes inquietas.

O projeto nasceu de um incômodo nosso quando percebemos o pequeno número de mulheres empreendendo negócios criativos, inovadores e autênticos ao mesmo tempo em que notamos uma sede por mais conhecimento e novidades. Foi aí que começamos a criar conteúdo relacionado a negócios, marketing e empreendedorismo de uma forma leve, descontraída e mais próxima das mulheres. Acabamos criando e-books, oficinas deliciosas em que as participantes abriam seus corações e mentes criando experiências únicas e isso tudo culminou com o lançamento de um curso online nesse ano, que por incrível que pareça, apesar de ser pela internet é extremamente afetuoso e enriquecedor para nós e para as alunas.

 

2- Quais foram os desafios mais delicados que surgiram (ou ainda surgem) para você e sua sócia?

Os desafios são muitos, especialmente considerando que somos mulheres e criativas. Um deles é que foram muitas as ideias que surgiram desde o começo. Nos permitimos explorá-las descobrir o potencial de cada uma, mas ter frieza para definir que focaríamos nossas energias em uma delas doeu no coração, mas foi uma decisão muito acertada. Enfrentar o medo do “e se não der certo?” e do “será que estou preparada?” também é algo recorrente para nós. Optamos por abraçar o frio na barriga e arriscar. Claro que nem todas as ideias dão 100% certo. Aí a gente aprende com a experiência, se prepara de novo e logo se lança aos novos desafios.

 

3- Você consegue dizer quais são as principais vantagens de negócios criados por mulheres?

É difícil dizer sobre vantagens de negócios criados por mulheres quando em pleno 2014 ainda estamos buscando igualdade. As capacidades, competências, habilidades e experiências são individuais. Acho que hoje não podemos mais dizer que mulheres são mais sensíveis, mais cuidadosas ou outras características muito repetidas ao longo das nossas vidas. Muitas são mais minuciosas, multitarefa etc, mas não dá para generalizar.

Mas vamos encarar as polêmicas: uma coisa que posso citar é que em negócios criados por mulheres, outras mulheres da equipe tem um ambiente mais favorável para crescimento uma vez que as oportunidades tendem a ser abertas igualmente para os dois gêneros. Também é posso arriscar dizer a partir de estudos e discussões que tive a oportunidade de estar presente que quanto mais mulheres estiverem a frente de negócios mais flexível o negócio tende a ser para que a vida dupla de mãe-funcionária/empresária seja melhor encaixada na rotina do trabalho e assim a mulher consiga ter uma vida equilibrada.

Por fim, existem alguns estudos que mostram também a importância da mulher empreendedora no crescimento da economia dos países em desenvolvimento trazendo mais empregos e mais ganhos.

 

4- Qual sua principal recomendação para quem está com uma ideia na cabeça e ainda não sabe como transformá-la em negócio?

É quase impossível dar uma só recomendação. Então selecionei algumas principais para quem quer começar, mas não tem ideia de quais os primeiros passos.

  • Primeiro olhe para si. Autoconhecimento é o primeiro passo. Descubra quais são seus interesses, suas paixões, habilidades, o que o motiva na sua atividade profissional.

Depois, mude o foco para os outros:

  • Pesquise e descubra se sua ideia interessa realmente os outros, se alguém pagaria por ela.
  • Teste sua ideia: o mais rápido possível e de preferência com o menor investimento também. Use os recursos que você tem na mão para esse primeiro momento. Mostre logo a sua cara e depois avalie.
  • Por fim, tenha sonhos grandes, mas comece pequeno, se possível, mantenha seu custo próximo do mínimo.

 

Comentários